sábado, 24 de setembro de 2011

Tipos de Sapos

DIVERSIDADES DE SAPOS

 


SAPO - O comedor de besouros




FILO: Chordata
CLASSE: Amphybia
SUPERORDEM: Salienta
Macho, 112,5 cm,
ÓRDEM: Procoela
FAMÍLIA: Bufonidae

CARACTERÍSTICAS:

Comprimento: fêmea, 2,5 cm,
Peso: fêmea 1,6 Kg, Macho 350g
Ovos: 35000 por ano. Poucos inimigos. 


Como desenvolvimento da cultura da cana- de- açúcar, houve um grande aumento de besouros - da - cana, que são insetos daninhos. Esse besouro tem um inimigo, o sapo, também chamado cururu, que foi levado aos canaviais para eliminar o besouro. Infelizmente, esse comedor de besouros não se interessou pela refeição e, assim, os insetos continuaram a devorar a cana.



Esses sapos possuem duas glândulas do veneno na parte posterior da cabeça. O veneno esbranquiçado de sabor e odor desagradável oferece perigo até para o homem. O predador que ingerir esse veneno altamente tóxico certamente morrerá. As cobras e algumas aves, especialmente o íbis, as vezes engolem um sapo inteiro, mas ele se infla e sufoca o inimigo.


O cururu tem hábitos noturnos.

limenta - se de insetos, camundongos, cobras e caracóis.

Possui uma bolsa grande que lhe permite coaxar de modo a ser ouvido longe. Sua reprodução é igual à do sapo comum e multiplica-se com rapidez.







SAPO CURURU ou SAPO COMUM



NOME COMUM: Sapo-cururu; sapo-cururu-grande; sapo-comum
NOME CIENTÍFICO: Bufo marinus
NOME EM INGLÊS: Cane toad, giant toad
FILO: Chordata
CLASSE: Amphibia
SUPERORDEM: Salientia
ORDEM: Anura
FAMÍLIA: Bufonidae
OUTRAS ESPÉCIES: B.alvarius (sapo-do-rio-colorado); B.typhonius; B.crucifer; B.ictericus; B.granulosus; B.ocellatus; B.rufus; B. paracnemis e B.paracnemis Lutz (sapo-boi).

CARACTERÍSTICAS: Comprimento fêmea: 15 até 25 cm - Macho: 7,5 até 12,5 cm

Postura: 3000 a 4000 ovos Expele secreção venenosa


O sapo-cururu. considerado um gigante entre os anfíbios, pode atingir até 25 centímetros de comprimento. Os mais comuns medem entre 10 a 15 cm. As diferenças entre macho e fêmea são determinadas pela coloração, os machos possuem cor amarela-pardacenta uniforme e as fêmeas cor sépia e pelo comprimento (os machos são menores que as fêmeas).



O sapo comum ou sapo cururu tem uma pele dura e ressecada, coberta de pequenas escamas. Algumas moscas maiores costumam depositar os ovos na pele dos sapos velhos.

As larvas, quando nascem, penetram no corpo do sapo através das suas narinas. O sapo, dessa forma, impossibilitado de respirar e morre.


Com as patas traseiras, os sapos cavam buracos, nos quais hibernam durante o inverno. A época do acasalamento é o início da primavera. Ocorre nos pântanos e dura várias semanas. Os ovos são postos em fileiras que podem alcançar até 5 m de comprimento.


Os girinos nascem após dez dias.

Depois de uma série de metamorfoses, transformam - se em sapinhos.


O sapo captura suas presas com a língua ágil. Ela fecha os olhos para engolir o alimento. Isso não é um truque, mas uma necessidade: os grandes olhos são forçados para cavidade bucal a fim de empurrar os alimentos para a garganta. Os sapos são úteis ao homem porque com seu grande apetite comem muitos vermes, lagartas e insetos nocivos de várias espécies.


REPETINDO...




SAPO COMUM - Estranha asfixia

 

NOME CIENTÍFICO: Bufo Bufo
FILO: Chordata
CLASSE: Amphibia
SUPERORDEM: Salientia
ORDEM: Procoela
FAMÍLIA: Bufonidae

CARACTERÍSTICAS: Comprimento fêmea: 15, cm - Macho: 7,5, cm

Postura: 3000 a 4000 ovos


Expele secreção venenosa.



O sapo comum tem uma pele dura e ressecada, coberta de pequenas escamas.

Algumas moscas maiores costumam depositar os ovos na pele dos sapos velhos.
As larvas, quando nascem , penetram no corpo do sapo através das suas narinas.

O sapo, dessa forma, impossibilitado de respirar e morre.


Com as patas traseiras, os sapos cavam buracos, nos quais hibernam durante o inverno. A época do acasalamento é o início da primavera. Ocorre nos pântanos e dura várias semanas.


Os ovos são postos em fileiras que podem alcançar até 5 m de comprimento.

Os girinos nascem após dez dias.

Depois de uma série de metamorfoses, transformam-se em sapinhos.


O sapo captura suas presas com a língua ágil. Ela fecha os olhos para engolir o alimento. Isso não é um truque, mas uma necessidade: os grandes olhos são forçados para cavidade bucal a fim de empurrar os alimentos para a garganta. Os sapos são úteis ao homem porque com seu grande apetite comem muitos vermes, lagartas e insetos nocivos de várias espécies.






SAPO PARTEIRO - Chocadeira


FILO: Chordata
CLASSE: Amphibia
SUPERORDEM: Salientia
ORDEM: Opisthocoela
FAMILIA: Discoglossidae

CARACTERÍSTICA: Comprimento: até 5 cm. As fêmeas são maiores que os machos.


Pés parcialmente palmados.


É difícil ver o acasalamento do sapo - parteiro, pois só acontece de noite e em lugares bem escondidos. Esse acasalamento também é muito mais rápido que o dos outros sapos. Depois de atrair a fêmea, o macho envolve-lhe o corpo com suas patas traseiras e a ajuda a eliminar os óvulos. Esse óvulos são postos em cordões envolvidos por um material gelatinoso. O macho cobre-os com esperma e encharca-os de urina, que faz inchar a proteção gelatinosa. Em seguida, ele pendura o cordão de ovos fertilizados nas patas e o carrega durante três semanas. Nesse tempo, pode encontrar outras fêmeas e juntar mais ovos ao primeiro lote.


Quando os ovos estão prestes a se abrir, o macho os larga perto da água.


Os girinos (larvas do sapo) sofrem metarmofoses antes de se tornarem sapos adultos.


Durante seus passeios noturnos, o sapo-parteiro alimenta-se principalmente de insetos, lesmas e caracóis. É encontrado por toda a Europa oriental até o extremo sul de Portugal. Mais rasteja que pula. Suas patas traseiras são próprias para cavar, mas ele prefere as tocas cavadas por outros animais ou uma fenda entre as rochas.





SAPO PIPA - Cinqüenta filhos nas costas!

 

FILO: Chordata
CLASSE :Amphibia
SUPERORDEM: Salientia (Anura)
ORDEM: Opisthocoela
FAMÍLIA: Pipidae

CARACTERÍSTICAS: Comprimento da fêmea 20 cm. Comprimento do macho: 15 cm. Dorso verde.


Ventre acinzentado. Duas protuberâncias semelhantes a tentáculos junto a boca. 


O sapo-pipa vive nos pântanos da região amazônica. É com certeza um dos anfíbios mais estranhos que existe. Tem a boca desdentada, olhos miúdos e seu corpo coberto de verrugas parece um grande saco achatado. Suas pernas dianteiras são finas e os dedos compridos com um círculo de filamentos na ponta.



As pernas traseiras, ao contrário, são gordas e os dedos, palmados.

Este sapo não é inteiramente aquático; ele cava o lodo à procura de alimento.


O método de reprodução é ainda mais curioso. O casal abraçado dá saltos mortais na água. Quando a fêmea está submersa ela elimina uns poucos óvulos junto aos pés do macho. Ele os fecunda e os gruda nas costas da fêmea. A cena se repete até que ela tenha várias dúzias de ovos, encerrando cada um deles num pequeno caroço.



Dez semanas depois os ovos se abrem e os filhotes começam a projetar - se para fora dos caroços. Mas eles permanecem aí por mais dois ou três meses, alimentando - os de vermes e insetos aquáticos. Depois de várias metarmofoses, transformam-se em adultos em miniatura.

 




RELA-RELA-DE-TINGIR 


Cuidado: Veneno!

 

FILO: Chordata
CLASSE: Amphibia
ORDEM: Procoela
FAMÍLIA: Brachycephalidae


CARACTERÍSTICAS: Comprimento: 1 a 5 (conforme a espécie). Cores brilhantes. 


Os animais de colorido mais acentuado são freqüentemente os mais perigosos.

Esse colorido é um alerta aos predadores eventuais e significa "não toque"! De todos os vertebrados , rela-rela-de-tingir, também chamados dendrobatas, são os que apresentam cores mais brilhantes. Isso não é de admirar, já que sua pele segrega um dos venenos mais violentos do mundo: um quarto de miligrama é suficiente para matar um homem.


As espécies de dendrobatas encontradas nas florestas tropicais das Américas Central e do Sul vivem tanto em árvores como no chão. Todas se alimentam de insetos. Além de colorido brilhante, esses animais se distinguem pelas grandes ventosas que têm na ponta de cada dedo.

Também na reprodução os dendrobatas se comportam de forma incomum. O macho da maioria dos sapos abraça a fêmea fortemente e fecunda os ovos à medida que eles são postos.


Algumas espécies de dendrobatas executam uma dança nupcial em que dois parceiros salta contra o outro, várias vezes seguidas. Mais tarde, a fêmea deposita seus ovos na terra, o macho os fecunda e os coloca em seu próprio dorso. É aí que os

filhotes nascem e passam seus primeiros tempos de vida.







SAPO MALAIO - Chifres de mentirinha

 
FILO; Chordata
CLASSE : Amphibia
SUPERORDEM: Anomocoela
ORDEM: Salientia (Anura)
FAMÍLIA: Pelobatidae

CARACTERÍSTICAS:

Comprimento: 25 cm

Largura: 20 cm

Boca muito larga 



O sapo- malaio tem três chifres, um em cima de cada olho e outro na ponta do nariz. Esses chifres não valem nada como arma, pois são simples dobras de peles completamente moles. Servem apenas para meter medo á possíveis adversários ou para camuflar seu dono.


Quando caça, o sapo-malaio fica totalmente imóvel até que sua presa chegue bem perto.



Ele come insetos, rãs, répteis, aves e roedores de pequeno porte, e até mesmo outros sapos-malaios, pois na realidade, estes

são seus piores inimigos.



Poucos predadores atacam um animal assim tão vivamente colorido, já que isso costuma ser sinal da presença de um veneno qualquer. Além disso, os sapos - malaios são robustos, de cabeça maciça e maxilar reforçadas, e têm as costas protegidas por um escudo ósseo.


Os sapos-malaios só são encontrados no Sudeste asiático.

Na América do Sul existem "sapos de chifres" de uma espécie completamente diferente, embora iguais no aspecto e no comportamento. Apenas os girinos das 2 espécies diferem: os americanos são carnívoros e os asiáticos, herbívoros.  





 





SAPO PINÓQUIO


Nova espécie de anfíbio encontrado pelo cientista Paul Oliver, nas montanhas Foja, na Indonésia. Este sapo das árvores apresenta o focinho alongado, daí o nome Pinóquio (Litoria sp. nov.).

Foram descobertas também outras espécies, como um novo morcego (Syconycteris sp. nov), que se alimenta de néctar das florestas tropicais e um pequeno rato das árvores (Pogonomy sp. nov.).

Os cientistas encontraram ainda um pequeno canguru (Dorcopsulus sp. nov.) e avistaram um casal de pombos imperiais (Ducula sp. nov.), que devem pertencer a uma população com poucos indivíduos.









Sapo-Boi-Azul - é uma espécie de anfíbio e pode ser encontrada na região deSipaliwini, no Suriname. Possui uma pele de cor azul metálica, com manchas negras. Estas cores chamativas advertem os possíveis predadores de que a espécie contém um potente veneno neurotóxico na pele. Alguns países adoram esse sapo, pela sua cor e pelo seu veneno que é um paralizante.









O Sapo-Garimpeiro sapo é bem vistoso, são pertencentes da ordem dos anuros (sapos, rãs e pererecas) o  Dendrobates tinctorius medem cerca de 3 a 4 cm podendo alcançar até 6 cm, existe uma coloração bem variada nessas espécies  baseada na área geográfica onde estão inseridos, a maioria na Amazônia e floresta Atlantica. A maioria são pretos tanto com manchas verdes como azul claro e  listras ou pontos pretos.

Os sapos garimpeiros vivem em florestas tropicais da América Central e América do Sul, possuem hábitos diurnos e terrestres. Alimentam-se basicamente de pequenos insetos como formigas e cupins que encontram na floresta com sua visão aguçada. Eles capturam suas presas usando sua pegajosa e retrátil língua. Em cativeiros são alimentados principalmente por grilos.

A estação de reprodução ocorre praticamente em toda temporada de chuvas. Do meio de julho até o meio de setembro, os machos elaboram rituais para atrair atenção das fêmeas. Eles vocalizam um garganteio para que elas se interessem por eles. Uma vez que o ritual de corte se completa a fêmea deposita mais de 40 ovos em folhas. Esses ovos são envolvidos em uma substancia gelatinosa para a proteção contra a dessecação.


Durante duas semanas do período de desenvolvimento, o macho retorna aos ovos periodicamente para checá-los. Assim que se tornam girinos eles são carregados nas costas do macho por uma secreção de muco aonde são levados para o final do desenvolvimento. Precisarão de 3 meses até se tornar pequenos sapos. Em cativeiro esses animais podem ultrapassar de 10 anos.






Strawberry Poison-Dart Frog - Apesar de não ser o sapo mais tóxico, esta espécie da América central é muito venenosa. Tal como outros sapos da mesma família, ele protege-se dos seus predadores através de um sistema de defesa química. As suas cores são muito variáveis: Em alguns lugares apresenta-se vermelho brilhante, enquanto noutros pode ser castanho, azul ou verde. A postura das fêmeas é feita em buracos com água nas árvores, pode por de 4 a 6 ovos, um em cada buraco.







Golden Mantella - Muito parecido com o Poison-Dart Frog que vive nos trópicos americanos, este sapo de Madagáscar desenvolveu cores brilhantes pela mesma razão – avisar potenciais predadores de que é tóxico. Este sapo é diurno, e procura pequenos animais no chão da floresta. Durante a época de acasalamento, os adultos acasalam em terra e as fêmeas põem os seus ovos em terrenos húmidos. Os girinos nascem em épocas de chuvas, o que lhes proporciona um bom meio para se desenvolverem. Tal como todos os mantellas, também esta espécie encontra-se ameaçada pela desflorestação.






Rã de Olhos Vermelhos (Agalychnis callidryas) - A rã de olhos vermelhos é um animal noturno, pequeno e colorido, que vive nas Florestas Tropicais da América do Sul e da América Central.

É uma rã que vive nas árvores, tem olhos enormes e vermelhos, corpo verde neon brilhante e pés laranja.



Ela ainda tem laterais azuis listradas de amarelo brilhante, barriga e pernas em um azul-claro, também muito brilhante. Como se todo este brilho não bastasse, a rã de olhos vermelhos ainda tem glândulas de sucção em todos os seus dedos, o que a faz uma excelente saltadora. Elas passam a maior parte de suas vidas nas árvores.


As rãs-de-olhos-vermelhos se comunicam entre si através de vibrações que faz agitando as plantas. Quando uma rã-macho sente que outro macho pode estar invadindo seu território, começa a se mover de maneira agressiva, contraindo e estendendo seus pequenos membros cerca de 12 vezes por segundo, o que envia vibrações pela planta até a outra rã. Geralmente, o outro macho envia o mesmo sinal como resposta. “Eles estão essencialmente fazendo flexões com suas pernas traseiras, mas flexões realmente rápidas”, diz Michael Caldwell, pesquisador. O ato é um sinal de agressividade masculina, testemunhado durante a estação de acasalamento das rãs. Os machos podem também enviar sinais acústicos uns aos outros, ou se envolver em lutas físicas até que a rã mais fraca deixe o local. Ocorrências de macacos balançando galhos para outros, por exemplo, sempre foram interpretadas como uma forma visual de comunicação. Seu estudo foi a primeira demonstração de sinalizações com vibração de plantas no caso das rãs.




E tem também:




















Tipos (Diversidade) de Sapos













Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário